Páginas

domingo, 27 de janeiro de 2013

Quando não se tem pra onde ir


As ruas pareciam mais frias e assustadoras quando nelas não havia ninguém para me levar para casa. As dores adormecidas, acordavam e me perfuravam a alma, as lágrimas vinham nos olhos, e a saudade ardia no peito. Embora não fosse bem vinda em lugar algum, fantasiava um abraço apertado, um beijo no rosto, e uma simples conversa: 'como está? como anda a vida? o que tem feito?' não estou bem, a vida tem brincado de ser malvada comigo, ela brinca assim comigo há muito tempo. As coisas andam ruins, cada dia que passa, vou me esvaziando de amor, e me enchendo de solidão. Tenho me sentido meio inútil, meio inconveniente sabe? os sorrisos não me rodeiam mais. O que aconteceu? Aonde está a compreensão? O carinho, o abraço? Aonde estão as palavras acolhedoras e esperançosas pra acalmar minha alma?

Imagem: Melina Souza
Texto: Bárbara Carvalho

3 comentários:

Bruna Cerqueira disse...

Gostei do texto.

Bárbara Carvalho disse...

obrigadissimo *-*

camila fukuoka disse...

E é quando a gente mais precisa de um abraço bem apertado, uma palavra amiga, um incentivo pra continuar nossa difícil e longa caminhada, ou quando a gente só precisa de uma boa conversa com quem nos faz bem, que percebemos que não tem muito com quem possamos contar...

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template by Best Web Hosting