Páginas

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Divergente

Um livro que marcou não só o meu ano de 2012, mas o de todos os fãs do mundo, quando o assunto é distopia e lançamentos. Estou falando de Divergente, o primeiro livro de uma trilogia de distopia, novo no Brasil, mas que tem tudo pra fazer sucesso, ou melhor, já está fazendo sucesso. Veronica Roth surpreendeu o público leitor ao escrever seu primeiro livro, que com pouca experiência, mas com muita criatividade, fez com que Divergente fosse o que é.

Nesta versão futurista da cidade de Chicago,
a sociedade se divide em cinco facções dedicadas ao cultivo de uma virtude – a Abnegação, a Amizade, a Audácia, a Franqueza e a Erudição.
Aos dezesseis anos, numa grande cerimônia de iniciação, os jovens são submetidos a um teste de aptidão e devem escolher a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas. Para Beatrice, a difícil decisão é entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é – não pode ter os dois. Então, faz uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma.
   Durante a iniciação altamente competitiva que se segue, Beatrice muda seu nome para Tris e se esforça para decidir quem são realmente seus amigos – e onde se encaixa na sua nova vida um romance com rapaz fascinante, porém perturbador. Mas Tris também tem um segredo, que mantém escondido de todos, pois poderia significar sua morte. Ao descobrir um conflito crescente que ameaça destruir sua sociedade aparentemente perfeita, ela também aprende que seu segredo pode ajudá-la a salvar aqueles que ama... ou destruí-la.
   A autora estreante Veronica Roth explodiu na cena literária com o primeiro livro da série DIVERGENTE – uma distopia cheia de decisões eletrizantes, traições devastadoras, consequências espetaculares e um romance inesperado.

 
SOBRE VERONICA ROTH

Veronica Roth é a uma autora estadunidense, de sucesso internacional. Divergente, o primeiro título de uma trilogia, alcançou o primeiro lugar dos mais vendidos do New York Times. Atualmente, ela está com 24 anos e mora em Chicago, nos Estados Unidos, com seu marido.

Divergent (2011) - Lista dos livros mais vendidos do The New York Times;
Insurgent (2012) - Lista dos livros mais vendidos do The New York Times (Ainda não lançado no Brasil).
Um terceiro livro da triologia, ainda sem nome, está para ser publicado em 2013.







O que mais posso falar sobre esse livro incrível? Bom, só me resta dizer a minha opinião.
Já ouvi muita gente dizer que Divergente é muito parecido com Jogos Vorazes. Eu não acho. Claro que em gênero se assemelham, são distopias, têm sua própria história, seus personagens são encantadores, mas não é possível fazer muitas comparações, já que Jogos Vorazes é incomparável. Mas ambas as trilogias têm algo em comum: a adrenalina.
Divergente é o tipo de livro que você lê aos poucos, pra aproveitar cada página do livro, evitando que chegue ao final, mas no fundo da mente desejando saber qual o fim que espera a cada personagem. É aquele que a cada capítulo seu coração acelera mais, só de imaginar as situações vivenciadas pelos personagens, e enquanto não terminar a leitura, não vai sossegar.
O livro é tão fascinante que também tem uma capa que deixa qualquer um com vontade de tocar, sem falar na simbologia que envolve o livro.

É focado na personagem Beatrice, e em sua difícil decisão na escolha de qual facção pertencer, no seu romance com Quatro (Tobias) e nas consequências de suas escolhas por ser alguém “diferente”.
Como toda distopia, Divergente descreve uma sociedade dividida, mais precisamente em cinco facções, cada facção é independente, mas se unem em função de um único ideal: A facção antes do sangue; manter a paz; evitar novos conflitos.
Cada facção tem seus costumes, e são representadas por símbolos. A Audácia, a minha preferida, é representada pelo fogo, os que pertencem a essa facção usam piercings, tatuagens, e roupas escuras. Sua principal função é proteger a cidade de ameaças internas e externas.

A Erudição é representada pelo olho, usam roupas azuis, são os intelectuais, responsáveis por desenvolver pesquisas e invenções, são professores ou cientistas.
A Franqueza, pela balança, usam roupas brancas, e são conhecidos por jamais mentirem. Por sua principal característica, eles se encarregaram de aplicar as leis na sociedade.
A Abnegação, é representada pelas mãos unidas, usam roupas cinza, os membros acreditam que o bem comum é mais importante que o bem próprio, ajudam os sem-facção, e por serem altruístas, ficam encarregados da política.
A Amizade é representada pela árvore, costumam usar roupas vermelhas ou amarelas. Os membros da amizade são pacíficos, não têm um líder, trabalham em grupo, e são extremamente otimistas. São responsáveis pela agricultura e pela arte
Existe também os sem-facção, aqueles que não conseguiram completar a iniciação para a facção que escolheram, são obrigados a viver na pobreza e na rua, encarregando-se dos trabalhos que ninguém mais quer fazer.
Quando alguém é apto para mais de uma facção, ou até mesmo todas, é chamado de Divergente. Poucos os conhecem, mas uma vez descobertos, seu destino é a morte, daí vem o nome do livro.

A boa notícia é que Divergente vai ser adaptado para o cinema. O filme está em pré-produção, e vai começar a ser filmado ainda neste ano, tem estreia prevista para 21 de março de 2014, de acordo com a Summit Entertainment, e será dirigido por Neil Burger.
Para quem ainda não leu o livro, só posso dizer que vai se surpreender. E finalizo deixando a seguinte pergunta: Se você tivesse que escolher entre a sua família e seguir seus ideais e ser quem realmente você é, mesmo que para isso signifique abandoná-la, qual escolha você faria?


UMA ESCOLHA


PODE TE TRANSFORMAR

divergente brasil

2 comentários:

Michelle Araújo disse...

Achei liiindo aqui o Blog *-*
E fiquei muito curiosa pra ler esse livro :)

Beijos :*
livrosechadatarde.blogspot.com

Bárbara Carvalho disse...

aaaah, muito obrigada! O Aldrin agradece :DDD beeijos!

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Template by Best Web Hosting